logo


Cinco expoentes de uma nova geração da arte

Fonte (Carlos Sena)

RIO – Entre hoje e o dia 29 de abril, o público carioca vai poder conferir as produções de cinco jovens expoentes das artes plásticas brasileiras. Esta noite, a partir das 19h30m, a Casa França-Brasil recebe a exposição dos vencedores da quarta edição do Prêmio CNI-Sesi Marcantonio Vilaça, uma das principais iniciativas no estímulo à arte brasileira, que acontece bienalmente.

Premiados com bolsas individuais no valor de R$ 30 mil pelo conjunto de suas obras até o momento, o pernambucano Jonathas de Andrade, de 29 anos; a mineira Laura Belém, de 37; o maranhense Marcone Moreira, de 29; e os paulistas André Komatsu, de 33, e Paulo Nenflidio, de 35, foram os cinco artistas vencedores, depois de uma seleção de 30 nomes de um total de 580 projetos inscritos de todo o país.

Jonathas e Komatsu foram também dois dos quatro finalistas da última edição do Prêmio Pipa (que teve a paulistana Tatiana Blass como ganhadora), outra importante premiação nacional das artes plásticas.

– Acho que, em comum, todos os cinco trabalham com uma questão política do olhar. O envolvimento político de suas obras é evidente, e este é um traço muito presente na arte contemporânea atual – diz o organizador e curador do prêmio, Celso Fioravante.

Acompanhamento artístico

Anunciados como vencedores em março de 2011, os cinco artistas ganharam, além da bolsa de R$ 30 mil, um prêmio adicional de R$ 5 mil cada um, para que produzissem alguma nova obra para a exposição. Ao longo do último ano, eles tiveram o acompanhamento de críticos de arte e curadores para o aprimoramento de seus trabalhos. André Komatsu e Jonathas de Andrade foram acompanhados por Paulo Herkenhoff; Marcone Moreira, por Laymert Garcia dos Santos; Laura Belém, por Rafael Vogt Maia; e Paulo Nenflídio, por Lisette Lagnado.

A montagem ocupa todo o espaço expositivo da Casa França-Brasil – foyer, duas salas e cofre – e mantém a concepção que a diferencia das coletivas usuais: trazer ao público conjuntos significativos de trabalhos de cada artista, organizados em espaços distintos, como se fossem pequenas individuais. Assim, todos vão mostrar, em espaços próprios, trabalhos em suportes variados, de diferentes períodos de suas carreiras, além de inéditos, como fotografia, pintura, vídeo, instalações, colagem e objetos. [yahoo]